Manual do Assassino #Final

2 Comentarios
Gente, desculpa a demora e sobretudo, desculpe se o resultado final não foi o esperado. Eu queria ter feito algo mais elaborado, e com mais detalhes, mas o tempo e o trabalho estavam me limitando e agora estou me organizando aos poucos. Em breve irei trazer uma nova série pra vocês e ainda estou aceitando sugestões de vocês e dicas sobre os próximos temas. Espero que gostem, e em breve mais historinhas pra vocês dormirem bem. :)


Eis aqui o último registro deste manual. Não vou falar exatamente sobre métodos desta vez e sim de sensações. Também posso falar de motivos, ou a até mesmo desculpas para isso, em todo caso, o farei de maneira rápida, pois, conforme vão entender no final, será necessário.

4. Sensações, motivos e desculpas

4.1 Sensações
O que faz um artista? Será apenas o dom para aquilo ou apenas a sua dedicação? Acredito eu, com minha leiga opinião, que um artista é feito sobretudo de dedicação, e um pouco de dom. Digo isso pois mesmo que a pessoa não tenha nascido para aquilo, quando ela se dedica, torna-se tão boa quanto alguém que "já nasceu sabendo". Essa "regra", não se limita apenas a um tipo de arte e sim a todas. Seja um a pintura, uma escrita, uma dança ou a morte como nós tão bem conhecemos.
Muitos diriam que seria um absurdo considerar um assassinato, como um ato artístico, pois eu afirmo, que se trata de uma arte para poucos amantes. Apenas quem pratica sabe do prazer insano e caloroso, assim como todas os pequenos arrepios e descobertas que vem com ele.
Tudo exige um processo. Primeiro você decide, ai você prepara, depois você faz e por último encerra a história. O mais difícil dos passos, é o decidir e não o fazer como alguns poderiam pensar. É horrível ter que decidir isso, vocês vão entender o por quê.
Quando você decide por fim: Vou matar alguém, você decidiu tirar a vida de alguém, decidiu ter a vida de alguém, decidiu tirar um futuro, tirar lágrimas de uma família, decidiu tirar toda uma expectativa que estava em volta daquele alguém. É uma responsabilidade enorme, mas depois de alguns, você começa a nem se importar mais.
Quando finalmente você decide, fica noites sem dormir, desiste, mas resolve enfim cometer o ato, é hora de preparar o grande espetáculo. É preciso organizar o ambiente e as ferramentas, organizar horas e locais e sobretudo, "desculpas" para que ninguém desconfie das suas doces intenções, a menos é claro que você queira mesmo que os outros saibam o que você está fazendo ou já está a tanto tempo no ramo que não se importa com a opinião alheia.




Fazer é o mais simples. Uma vez decidido e organizado, você só precisa trazer a presa e fazer o serviço. Eu, particularmente dou preferência para coisas rápidas e que não façam muita sujeira mas, há quem prefira algo com mais pomba e até mais destaque, e claro os que se entregam tanto pela arte que se dedicam até ao prazer mórbido pela carne fria.
Uma vez feito, é hora de limpar tudo. Para se livrar de um corpo, (quando o método usado, faz sobrar um corpo), cada um faz a sua maneira. Eu prefiro enterrar, para pelo menos dar um descanso "digno". Outros cremam e alguns até usam processos químicos. Há quem jogue no rio para que o corpo seja achado depois, e tem aqueles que cortam os pedaços e largam por ai ou dão para os cachorros. Em todo caso, é preciso limpar a bagunça depois que ela foi feita, de maneira eficiente e prática, para que não cause nenhum problema e nem atrapalhe seu ofício.
Matar alguém proporciona uma sensação que poucos serão capaz de descrever. Sentir o sangue quente na mão, a respiração parando ou ainda ver o último olhar de desespero, é algo extremamente revigorante. Gritos abafados, engasgos, mãos que apertam seus pulsos na esperança de se libertar do inevitável...
Quando se mata alguém, você automaticamente se mata por dentro. Algumas mortes causam uma morte interior maior, outras menor, mas o ponto importante é que quando não restar mais nada por dentro, matar o externo se torna ainda mais prazeroso, pois se apaga a dor. Algumas pessoas morrem completamente por dentro depois do primeiro assassinato. Outra levam tempo, tendo que matar centenas, milhares... A quantidade em si não importa muito. Lembre-se que como amante da arte de matar, o importante é buscar a perfeição, seja com uma morte lenta ou rápida, com várias ou apenas uma.


4.2 Motivos
Cada um tem um motivo ou uma justificação para ter chegado ao ponto que se encontra hoje. Abuso infantil, abuso dos pais, vida sofrida, bullying, "nasceu assim"... Cada um encontra sua satisfação pessoal no mesmo momento que encontra seu "motivo". Eu particularmente gosto da coisa. Comecei tímido, morrendo de medo de ser pego, mas depois de um tempo, experimentando e provando coisas novas, descobri que aquilo me fazia feliz, e desta forma, continuei,  porém, não me sinto ainda a vontade de assumir esse meu lado para todos ainda, causando então uma estranha "dupla personalidade". Sozinho, eu faço meus trabalhos e sacio os meus anseios, com os outros, sou um cara normal, sem muita expectativa para nada, um bom amigo, e apenas isso.
Há aqueles que matam por vingança, ou para descontar sua raiva. Aqueles que matam pelo momento ou porque estavam bêbados. Há ainda os que se justificam dizendo que fazem isso pois foram influenciados. Para mim, a melhor hora de matar, é quando se esta amando.
Quando uma pessoa está apaixonada, tudo que ela faz é com gosto, com prazer, caprichado... Quando se está amando, até as mortes saem com mais sutilezas, com mais vontade. Não confunda matar amando, com matar alguém que ama. Uma coisa é completamente diferente da outra... ou não.
Acredito eu, que quando você ama tanto alguém a ponto de matá-la, o suicídio deve vir logo em seguida, pois, se você chegou amar alguém, e mesmo assim, você não foi capaz de compartilhar seus anseios com ela, ou foi e isso o levou a acabar com ela, é preciso acabar com você, pois seu único propósito se foi, porém, existem os duros de coração, que após um caso deste, continuam suas vidas vazias, matando de vez para terminar de se matar por dentro e enfim, acabar com sua dor interior.


4.3 Desculpas
"Onde você esteve?" "Estudando". Esta sem sobra de dúvidas é a desculpa mais óbvia. Jogando também é válida porém um pouco mais perigosa pois logo surgirão pessoas que vão querer jogar esse jogo novo que só você conhece...
O "ocupado" básico, pode finalizar o assunto ou expandir, uma vez que existe seres que não conseguem conter sua curiosidade e sempre vão buscar informações da forma mais sutil que conseguir.
"Fui passar um tempo com minha mãe", "estava dando banho no cachorro", coisas assim abrem espaço para dar continuidade a ideia e você continuar mentindo, ou brecha para você cortar o assunto e partir para outra conversa.
O importante é que seja algo simples e de preferência, que não cause muita comoção ou desperte curiosidades desagradáveis. Escolha também coisas que sejam do cotidiano de qualquer pessoa, a maioria detesta ouvir sobre uma rotina chata, e logo desiste de perguntar algo quando algo deste tipo aparece, logo o assunto morre mais rápido e você não precisa se preocupar em parecer "normal".
Aprenda sobretudo a controlar suas emoções na hora de falar pessoalmente. Em redes sociais, é fácil usar estas desculpas, mas há pessoas tão sensíveis que não consegue transparecer que estão "numa boa" com esta situação. Isso geralmente acontece no começo, nas primeiras mortes, quando a pessoa ainda se preocupa com o que pode acontecer consigo mesmo e os julgamentos divinos que virão, mas depois, quando ela não sente mais nada, dissimular certas emoções se tornam brincadeira de criança.


Agora, me despeço de vocês, pois preciso limpar uma "bagunça aqui", e enfim me aposentar. Não sei se vou parar com o ofício de vez, uma vez que na cadeia não é tão difícil assim fazer defuntos, mas garanto que ficarei de molho por um tempo. Quem eu quero enganar? É lógico que jamais irei parar com meu ofício, e a cadeia, que agora me aguarda (os policiais vão chegar aqui em pelo menos 30 minutos após uma ligação anônima que eu mesmo fiz, depois de matar a bela filha do delegado, degolada), será apenas uma oficina para que eu possa aprimorar cada vez mais a minha arte. Espero que alguma das minhas dicas tenham sido úteis para vocês e que quem sabe, uma dia eu possa encontrar vocês em outra ocasião, que não vocês sendo a vítima.

Uma ótima noite a todos.


juhliana_lopes M.A.

#Compartilhar: Facebook Twitter Google+ Linkedin Technorati Digg

2 comentários:

  1. Quanta gente você matou? Eu tambén sou um psicopata e torturei e matei 64 pessoas parabens pra mim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Excluir

Não serão aceitos comentários com conteúdo: racista, homofóbico, preconceituoso, maldoso, ou de qualquer índole duvidosa que possam a infringir ou ferir a moral de qualquer um.

Se por acaso o comentário é sobre alguma duvida com relação a postagem, tenha CERTEZA de que está duvida não esteja transcrita na postagem. Ficaremos contentes em tentar responde-lá.

Todas as afirmações contidas nos comentários são de responsabilidade do comentador, o blog Eutanásia Mental, não tem obrigação nenhuma sobre qualquer ato ofensivo nos comentários.

Tudo bem errar uma palavra ou outra, esquecer de algum acento também esta beleza. Agora se escrever tudo errado e não ser possível entender um nada, o comentário não será liberado.

Obrigado pela atenção. Comente e faça um blogueiro feliz :-)