Diário de um "Ex-Viciado" #FINAL

É isso gente, o último capítulo, espero que tenham gostado, se não gostaram também, tudo bem, só comentar ai e dê sua sugestão para a futura série! Me xinguem também se quiserem, fiquem a vontade! Abraços pra todos! 

Lembro que fiquei um tempo parado tentando assimilar a informação. Acho eu, que nestas situações eu me desligo, pois mais uma vez não percebi quando Laís entrou mancando e derrubando alguns livros, pois sentiu do carro cheiro de sangue. Ela realmente aprendeu a ser sensível com certos cheiros, mas seria melhor que ela tivesse perdido os sentidos.
A cena que se seguiu depois que abri a porta do banheiro foi a seguinte: O bom velhinho estava sentado em um banco, nu da cintura para baixo. Sobre seu colo, estava uma menina, nua da cintura pra baixo, com os braços amarrados a frente e a amordaçada. As lágrimas escorriam de seus olhos, e o bom velhinho, fazia a menina subir e descer usando suas mãos sobre sua cintura. Ele não estava a penetrando no momento, mesmo com seu membro rígido, mas o sangue, tanto o vermelho rubro que corria das pernas da menina como o sangue seco que estava em sua blusa, entregavam a situação.
Ele estava tão interessado em sua diversão que não notou quando eu abrir a porta e continuou com seu “momento íntimo”, colocando a menina debruçada sobre o banco, de forma que ficava virada de costas pra ele, quase como estivesse de quatro. Nesta hora, Laís entrou tropeçando, fazendo assim o velho se virar depressa, e então tudo começou.



Diário da Psicose

TIREM A FORMATAÇÃO E JUSTIFIQUEM O TEXTO, QUANDO TIVER IMAGENS COPIEM-RENOMEIEM- E DEPOIS UPEM ELAS. PROGRAMEM AS POSTAGENS EM DIAS LIVRES! Vão pela sombra, Equipe Eutanásia.  

Fala meu povo beleza?

É eu sei, eu ainda não falei sobre os vídeos, mais eu juro que até sexta pelo menos a 1° parte já vai estar no ar. Então com a promessa feita, vamos ao conto, na verdade é uma criação minha então, espero que vocês curtam. Se não curtirem é só falar que eu continuo a postar. >
Psicose
Já faz algum tempo que eu tenho esse diário e sinceramente, eu não sei o que fazer com ele. Eu já pensei em queima-lo, mais seria um erro e um crime (moral, ah não ser que exista uma lei em que queimar coisas vire crime, porque ai as manifestações perderam força.), eu já pensei em me livrar dele, mas, se alguém o encontra-se e tenta-se reproduzi-lo, não, eu nem quero penar numa coisa dessas.

Ah desculpe eu estou aqui escrevendo e escrevendo e ainda nem me apresentei, meu nome é Marcus De Villa (nome falso, logico ou vocês esperavam um nome de verdade?) e eu encontrei o tal diário nas coisas do meu avô (Claro porque 50% das coisas ruins que acontecem vem dos armários/baús dos avós), ele já fora um cientista respeitado (adiciona agora mais 30% e caso ele seja veterano de guerra você apaga a conte e bota 70% de coisas estranhas, só estranhas, ruins não) e durante muito tempo ele trabalho em um sanatório (pronto, Fud$#% Bahia) sendo que o grupo de trabalho dele era sobre o desenvolvimento de doenças psíquicas, principalmente a esquizofrenia e o delírio. Eles acreditavam que manter pessoas presas em quartos acolchoados com pouca interação era ruim para os pacientes (aeeeeeeeeeeeeeee um medico que se preocupa com as pessoas (antes que pensem em pegar as tochas e os tridentes, eu estou falando daqueles que simplesmente da uma olhada, faz uns testes que qualquer pessoa pode fazer e já sentencia a pessoa. Eu acredito que existe bastante medico que realmente se preocupa com a população, só que né, não é isso o que a mídia mostra)), mas que também não era certo deixa-los livres pelo hospital. Então eles realizavam testes nos pacientes somente com o consenso das famílias (mais um ponto bom). Só que um dos testes era bastante estranho até mesmo para o mais sádico dos médicos (Ver A centopeia humana pra abandonar essa ideia), colocar uma pessoa em confinamento sem luz nem som. Pra ela ficar ela e somente ela em seus pensamentos. Uma das condições do teste era que as pessoas envolvidas não podiam ter traços das doenças, ou seja, a pessoa tinha que ser normal (Defina normal, por favor). O motivo desse teste era ver se mesmo uma pessoa que não tem as condições normais desenvolveria algumas dessas doenças (problemas na verdade, e sim isso deve acontecer). Depois de alguns problemas iniciais os pacientes foram colocados em salas separadas e observados com diferentes tempos. A 1° cobaia iria ficar 1 mês confinada, com comida e agua suficiente (detalhe como é que eles iria ver e se alimentar normalmente sem luz? O.O) que a partir de horários específicos iria cair por um tubo e as luzes seriam ligadas por não mais do que 1 minuto (agora sim. Hehehe) para que eles se alimentassem. A 2° cobaia iria ficar 6 meses presa e o método da alimentação seria mantido. A 3° cobaia iria ficar 9 meses (um filho praticamente) presa se alimentando da mesma forma. O que foi dito aos participantes (participantes cobaias se decide mulher) e que eles teria liberdade pra fazer o que eles quisessem durante o tempo que eles ficariam confinados e lhes foram mostrados as medidas de segurança instaladas nos locais de confinamento, o não foi dito é que na metade do experimento de cada candidato (vide pensamento anterior adicionando candidato na frase) o tempo de luz seria diminuído ou praticamente cortado. A partir de agora eu deixarei que meu avô conte o que aconteceu através do diário dele. Ah antes que eu me esqueça, eles tem todos os equipamentos para fazer a experiência, o que inclui câmeras com visão noturna para lugares com nenhuma luz, microfones, alto falantes e etc.

5 de Janeiro de 19xx

Começamos com a experiência das três cobaias ao mesmo tempo, depois de uma conversa entre-nos mesmos decidimos que seria melhor assim do que observar cada candidato por 1 ano e 5 meses (pra quem não entendeu 9 meses +6 meses + 1 mês = 15 meses ou 1 ano e 5 meses). Aparente mente a paranoia já apareceu nos primeiros minutos da experiência em dois dos candidatos, mais isso foi considerado esperado, pois desde a antiguidade o ser humano tem medo do escuro, logico que as razões se modificaram com o tempo mais a raiz do medo em si é a mesma. Esperamos que consigamos bastantes respostas e que isso não vire mais uma experiência tola.

6 de Janeiro de 19xx

Apesar dos participantes terem reclamado um pouco sobre o método de alimentação depois que eles viram como seria eles logo se adaptaram. Até agora nada de extraordinário ou que mereça atenção, como já era de ser supor.

12 de Janeiro de 19xx

Ainda nada de importante a escrever, fora o fato que a cobaia 1 apresentou traços de paranoia mais dispensamos isso por ser um fato que pode acontecer com qualquer um.

28 de janeiro de 19xx

Duas coisas incríveis aconteceram com as cobaias. Todas as cobaias sabem que falta pouco para a cobaia 1 sair do confinamento. E que as cobaias 2 e 3 aumentaram os níveis de stress um pouco, mais é a cobaia 1 que apresentou traços estranhos e significantes, por saber que falta pouco tempo para ser libertado, os níveis de ansiedade, medo e stress aumentaram consideravelmente e esperamos que esse aumento continue até ele ser libertado.

6 de Fevereiro de 19xx

 Já faz um dia desde que a cobaia 1 foi libertada e agora está com o resto do pessoal para avaliarmos todo o seu comportamento pós-teste e pedimos para que ele nós informe de tudo que ele sentir, pensar e principalmente ver. Devido à seriedade do teste e do que ele pode fazer com a mente, decidimos mantê-lo no hospital para avaliação e para evitar qualquer problema com o paciente. Seja com as pessoas seja com ele mesmo.

8 de fevereiro de 19xx

O paciente 1 disse que ele dificilmente fica em lugares fechados e escuros mais que por mais que isso aconteçam com ele nos informou que somente se ele ficar no mesmo estilo do teste, ou seja, agora elevadores quebrados e escuros ou apagões não o incomodam tanto ao ponto dele ter paranoia. Agora 2 coisas importantes aconteceram. 1° a cobaia 1 disse que quando ele fica em um lugar escuro ele consegue ver coisas e que ele não consegue mais ficar em um lugar quieto por muito tempo. Achamos que isso se deve ao fato do tempo preso somente com seus pensamentos e conversas sozinho, e o fato do cérebro ter sido alterado por um evento externo. 2° os candidatos restantes reduziram seus níveis de ansiedade, medo e stress por saberem que o candidato 1 saiu e que provavelmente ele está bem.

5 de Março de 19xx

Já faz um mês que o paciente 1 saiu e o candidato 2 está saindo hoje. Agora, houve algumas complicações com experimento que estamos pensando em cancela-lo. O paciente 1 adquiriu paranoia e medo leve de ficar sozinho. Ele não consegue mais descansar em um lugar totalmente quieto, ele nos disse que até mesmo o barulho de agua pingando ou de uma luz piscando é o suficiente para mantê-lo consciente. E que por mais que ele queira ele não consegue dormir sem ouvir um barulho por mais irritante ou perturbador que seja nas palavras dele “se não tiver nenhum barulho eu não durmo”. O curioso é que durante o dia ele consegue manter as atividades que qualquer pessoa que não passou pelo experimento consegue, mesmo se ele ficar no silencio total ele consegue mais ele nos informou que dormir é um assunto totalmente diferente. O 2° Paciente teve que ser retirados na base de tranquilizante, e o que nos deixou apavorados é que tivemos que utilizar 1/100 de grama de Etorfina para tranquiliza-lo isso é praticamente a dose usada para sedar animais com mais de 3000 kg. Já que 3l de morfina em vários dardos tranquilizantes não surtiram efeito. Quando pensamos em retirar o 3° paciente, nos já tínhamos envidado um grupo altamente treinado em combate corpo a corpo, somente para vermos que ninguém iria tentar retira-lo de lá não importa o que.

25 de Maio de 19xx

O paciente 2 morreu dois dias atrás e não sabemos por quê. Ele estava dizendo e gritando que os monstro e demônios iriam pega-lo e só Deus sabe mais o que ele disse.
Tentamos nos comunicar com o 3° paciente mais ele não responde, nem mesmo emite som. Pensamos que seria algum problema nos aparelhos, mais depois de prestar bem atenção descobrimos que o som que enviávamos para ele voltava para nos, ou seja, estava tão quito no lugar que o som do alto falante voltava no microfone.

12 de Junho de 19

Eu não sei o resto do pessoal mais eu estou ficando louco, e não é do jeito que eu esperava, o paciente 3 ficou uma semana inteira falando coisas desconexas e sem sentido, o pior de tudo é que parecia que ele ficava com somente uma expressão no rosto, como se ele estivesse amando fazer aquilo. Às vezes ele sussurrava às vezes ele gritava e nada fazia sentido.

15 de Junho

Eu estou preocupado, ele disse que quando ele saísse ele iria nos matar, e que era pra gente ir dormir, um dos médicos ficou histérico ficou gritando por horas até que o tranquilizamos e o desligamos do projeto. Infelizmente o paciente 3 não morre, já tentamos sufoca-lo e não deu certo mesmo com uma porcentagem de 80% de CO. Já tentamos mata-lo de fome mais não funcionou, ele comia qualquer coisa que ele encontrasse até que descobrimos que ele guardava a comida, e nos não vimos isso, na verdade nos não vimos nada disso acontecer. Desde o começo existia um grupo que ficaria observando as cobaias 24h por dia, e mesmo assim não percebemos as mudanças de caráter de ambos. Eu já cheguei a ficar 3 dias inteiros pensando no que tinha dado errado. E nada. EU não conseguir ver nada de errado. Quando percebemos o comportamento estranho do 3 nos começamos a ver as gravações e nada. Nada de estranho aconteceu desde que ele foi colocado lá.

17 de Junho

EU achei, porcaria, eu achei. Demorou, e eu tive que ficar uma semana inteira sem dormir pra perceber que as cobaias 2 e 3 com 4 meses de confinamento começaram a ficar estranhas. O pior de tudo, é que as mudanças foram sutis e de formas diferentes, a cobaia 2 desenvolveu paranoia, isso aliado às altas doses de adrenalina e outros componentes permitiram que ele não só surtasse como também ter uma força e resistência sobre-humanas. O pior foi a cobaia 3, ele desenvolveu esquizofrenia. Ele não só começou a agir como se mais alguém estivesse no lugar como se não fosse mais ele que controlava o corpo dele, acho que ficamos tão emocionados com a cobaia 1 que não percebemos os problemas das outras cobaias.

20 de Junho

Quer saber eu desisto, e alguns do meus colegas estão comigo, eu não quero saber, eu só sei que esse pesadelo vai acabar hoje. Mesmo que eu vá preso, mesmo que eu morra, eu vou matar aquele desgraçado.

Não existe mais nada depois disso. Depois de algum tempo sem dar noticias, a policia foi chamada e invadiram o local do experimento com os familiares e curiosos (logico porque em vez de tentar ajudar ou então de sair do caminho tem que reunir um monte de babaca pra atrapalhar e tirar fotinha) os policiais tiveram que chamar mais 20 policiais para ajudar a levar os 5 cientistas restantes do grupo de 20, fora o meu avô que parecia normal mais que ainda sim tinha algo de estranho com ele, 2 estavam em estado crônico de catatonia e 2 estavam totalmente descontrolados e foram mortos depois de quase matar 3 policiais e de dar ferimentos menores a vários outros. Alguns cientistas e médicos que não estavam no local por já ter saído do projeto ou estar de olho no paciente 1 o números de corpos que deveria estar no local estava errado por ter mais 3 corpos, depois que os enxames foram concluído, descobriu-se que existia altos níveis de adrenalina e morfina ao mesmo tempo em varias pessoas, mais que somente 2 pessoas apresentavam resultados tão estranhos que mesmo depois de mais 5 testes serem realizados em laboratórios diferentes o resultados foram o mesmo, o paciente 1 estava morto e dentro daquele lugar. Depois de algum tempo tudo voltou ao normal, e meu avô morreu antes de ver o seu neto, meu pai sempre me contava essa historia assim como ele sempre me dizia que as vezes quando a casa estava vazia, ele ouvia meu avô conversando sozinho como se tivesse mais alguém com ele, uma coisa que ele só fazia de noite.

1999 #3



Olá hoje teremos a terceira parte da Creepy 1999... Espero que sitam medo... Se você ainda não viu as outras partes: Parte 1 - Parte 2

09/11/11 

Desculpem por não ter respondido quaisquer perguntas por tanto tempo, estou sem acesso a minha conta de e-mail há algum tempo. De qualquer forma, deixe-me finalmente esclarecer as coisas com o que eu sei. Em outubro, visitei a casa anteriormente pertencente ao homem do Caledon Local 21. Duas mulheres moraram lá, operando uma creche... que ironia, não? Agora, para responder às perguntas que me enviaram por e-mail: 

P.: Quem mais assistiu ao Caledon Local 21? 

R.: Eu sei que mais pessoas assistiram, incluindo crianças que foram dissolvidas na casa do Sr.Urso. Depois de algumas pesquisas no Google, encontrei algumas pessoas no fórum NeoSeeker que discutiam sobre os programas de Caledon Local 21. Eles comentavam sobre as crianças que apareceram nos episódios que assisti, mas também falavam sobre dois outros programas que eu nunca havia visto antes. Um usuário chamado “Iamreallife” parecia saber todos os shows que foram transmitidos pelo canal 21; E aqui estão os dois que eu nunca ouvi falar: 

O Anjo Caído E Vida – Iamreallife descreveu-o como um programa bastante chato, sobre um homem que caminhava de forma divagar em frente à câmera falando sobre como devemos agradar a satanás e apaziguá-lo antes que seja tarde. 

Pinte com a Alma - Iamreallife e outro usuário chamado sigy92 estavam discutindo sobre esse show. Ambos descreveram que era algo como “Bruxa de Blair”, com um cinegrafista vagando numa floresta durante a noite, sem fazer nada de interessante. 

Vou procurar a conversa e ver se consigo postar o link. 

P.: Onde está o Sr. Urso, ou o cara que usava o traje? 

R.: Se eu soubesse, teria dito mais cedo. Eu não tenho nenhuma ideia de onde está, quem é, ou se o cara está vivo ou morto (espero que morto). Da próxima vez que ver o amigo do meu pai irei perguntar a ele isso. Talvez eu consiga obter algum tipo de resposta. 

P.: O que o Sr. Urso fazia com as crianças? 

R.: Essa é sem dúvidas a pergunta mais comum que me fizeram. Descobri isso em outubro, através de um amigo do meu pai, que é um oficial regional de Caledon aposentado. Aparentemente, o homem trajado de Sr. Urso levou as crianças para fora de casa e para a floresta próxima. O que ele fez lá, a polícia não sabe exatamente, mas 16 corpos carbonizados de crianças com idade de 4 a 13 anos foram encontrados em uma vala de 15 x 15 metros de profundidade no interior da floresta. O amigo do meu pai não quis me dar maiores detalhes, mas irei encontra-lo na próxima quinta-feira, então talvez eu consiga mais algumas informações dele. 

Isso é tudo o que tenho por agora. Obrigada por manter um interesse no meu blog, vou tentar reunir o máximo de informações que eu puder para meu próximo post. Eu tenho realmente ficado muito interessado neste meu eu. Deve ser o meu direito de saber o que realmente aconteceu.

Diário de um "Ex-Viciado" #9

Depois de uma longa demora por problemas técnicos, ai está o penúltimo capítulo! E pra não correr riscos, o último já está agendado, então não deixem de ler este capítulo e claro o último na semana que vem. Abraços, Juh.

Ao chegar à loja hoje de manhã, o velho parecia ansioso e um pouco irritado. Antes que eu pudesse me desculpar e perguntar de mais alguma coisa estava acontecendo, ele me apontou o “problema”. Laís, chorosa, agarrada a um lenço, se balançando para frente e para trás como uma criança inconsolável. Aproximei-me e novamente, antes que eu pudesse falar qualquer coisa, ela se agarrou em minha perna, se ajoelhando no chão, pedindo clemência.
- Por favor...
- Laís, nós já conversamos ontem, eu...
- Minha filha, minha filhinha, sumiu! – ela dizia em meio a soluços.
- Mas como assim?
- Eu a deixei na escola ontem, antes de vir falar com você... Ela... Ela... – parou para enxugar o nariz. – Ela... A professora disse que ela disse que eu estava próxima e correu em direção à praça... Esta praça. Mas ninguém viu ninguém sabe... Minha filhinha...
- Por que você não foi busca-la na escola ontem? Ou ligou pra alguém busca-la?
- Porque eu estava procurando ajuda, lembra?! – disse ela, agora agarrando a minha camisa. – Ajuda que você me negou e se não fosse por isso, agora ela estaria aqui, do meu lado! – Ela gritava em meio ao choro – Minha filhinha...
- Se você não tivesse tão obcecada por um caso perdido, talvez ela estivesse do seu lado mesmo. – Eu disse por fim, num tom seco que mais uma vez pareceu mais grosseiro do que eu pretendia.
- Você não vai negar o socorro de uma mãe. NÃO VAI! – ela dizia agora, na ponta dos pés, quase agarrando o meu pescoço com uma fúria nos olhos como um animal.
- Vocês façam o que quiser, mas saiam logo da minha loja. Estão espantando os clientes com essa gritaria! – disse o velho num tom alto que eu nunca havia ouvido antes, mais irritado do que nunca.
Laís saiu em silêncio, e antes que eu saísse, olhei para o velho para me desculpar, mas ele fez um sinal com a mão me alertando que mais tarde seria a nossa conversa.



O Último Verso do Poeta


Para que não me esqueças qual mim a ti

Para que não duvides que o amor mata

Vou roubar-te o coração pra mim

E fazer-te carinho com uma faca.



Links Bizarros #66


Ainda está tendo Copa, e eu já estou de saco cheio. Vamos com alguns links bizarros para tentar esquecer um pouquinho essa história de futebol durante 24h por dia.